Zona Incestuosa

Esse blog dedicado toda comunidade incestuosa. Contos, relatos, fotos e dicas de sites. Se você tiver material sobre o tema, envie para max_divine@hotmail.com. Acessem também: Amor Filial - A maior comunidade incestuosa do mundo. Contos, relatos, fotos, videos, quadrinhos e forum. Acesso gratuito! www.amorfilial.com Seiren - site de quadrinhos eróticos, de alta qualidade e com acesso gratuito. Varios quadrinhos sobre incesto. www.seiren.com.br

segunda-feira, junho 13, 2005

Incesto e Tabu

A procriação endogâmica ou geração de filhos no interior da família, pode resultar em problemas de nascença. Mas isso vai depender da herança genética familiar. Ao contrario do que se pensa o incesto, não provoca mutações. Ele apenas tende a fixar nos rebentos os traços recessivos. Uma vez que muitos traços negativos são recessivos, os filhos dessa ligação estão sujeitos a problemas congênitos.Por outro lado, há muitos exemplos de incestos que se repetem por gerações produzindo rebentos sempre saudáveis. Os príncipes incas mantiveram sua linhagem pura promovendo casamento entre irmãos e irmãs por 14 gerações. O mesmo ocorreu com os Ptolomeus, do Egito, que depois de varias gerações de casamentos entre irmãos e irmãs produziram Cleópatra ( cujo marido era ao mesmo tempo seu tio e seu irmão).É muito natural que as pessoas se sintam sexualmente atraídas por outros com que convivem na mesma casa, com que dividem as refeições e com quem mantêm laços emocionais estreitos. No entanto em nossa sociedade, muitas proibições sociais são essenciais para a coexistência pacífica, e o tabu do incesto é um deles. As relações entre membros da família já são complicadas e tensas o bastante sem a interferência da competição sexual e do ciúme. Os desejos incestuosos existem em todos nós, só que acionamos uma série de mecanismos para nega-los.Quando somos separados de nossas mães sentimos terrivelmente a sua falta. Cada vez mais percebemos que boa parte do seu tempo é tomada pelo pai. Percebemos que ela é a companheira do pai, e que há limitações para a amplitude de nossa intimidade com ela. Nós a desejamos secretamente e sentimos uma raiva ciumenta pelo pai, por tê-la; mas nos sentimos culpados por nossos pensamentos proibidos. Esta culpa é o núcleo da coexistência. Sentimos uma atração incestuosa, mas tudo que nos é ensinado vai contra essa atração. Somos capturados num ardil sexual e emocional.No entanto em algumas culturas o incesto é fato comum. Entre os índios do México, é comum o incesto entre pai e filha. Os Kalungs, de Java, acreditam tradicionalmente que o incesto com suas mães vá lhes trazer prosperidade. Os povos tribais do Malawi acredita que relações sexuais com suas irmãs os deixarão à prova de balas. Os Cucis, se casavam sem dar atenção ao parentesco. Em Bali, gêmeos de sexos diferentes, nascidos na casta superior eram automaticamente casados. Na África Oriental, entre os membros do povo Taita, os homens muitas vezes se casam com suas mães e irmãs por razões financeiras: fora da família, as esposas precisam ser compradas! Entre os Yakuts, da Sibéria, considera-se que os irmãos de uma noiva terão azar se permitirem que ela case virgem, de modo que eles mesmos se encarregam de tirar-lhe a virgindade. No Japão atualmente, o incesto só é crime se considerado estrupo.Então por que o incesto é comum em certas sociedades e proibido, além de visto como algo funesto em outras? Isso é facilmente explicável, a partir da cultura de cada região do planeta. Boa parte dessa explicação vem do fato que a maior parte do planeta, tem como filosofia religiosa idéias judaicas, cristãs e muçulmanas, todas derivadas de uma única e milenar cultura iniciada, na Palestina e expandida para o mundo. Ao longo dos séculos ela foi se cristalizando na mente das pessoas que a seguiam. E não é difícil imaginar, que onde elas não chegaram ou não foram aceitas, a mentalidade da cultura local, encara os fatos de maneira diferente. Então certo ou errado, isso vai depender de qual ponto de vista nos o encaramos.Em relação a idade devemos analisar a cultura do pais onde vivemos. Em algumas culturas fazer sexo com pré adolescentes e adolescentes é encarado de forma corriqueira. No Japão por exemplo, pela suas leis, é perfeitamente legal fazer sexo com meninos e meninas maiores de treze anos. Mesmo a prostituição só é crime se intermediada de um cafetão. Na Rússia, a maioridade é concedida aos quatorze anos. Tudo tem a ver com o aspecto psicológico do jovem indivíduo, e as regras sociais cristalizadas através dos tempos. Psicologicamente, pressupõe-se que o indivíduo esta formando sua personalidade e por isso não é capaz de fazer escolhas, avaliando as conseqüências das mesmas. E quanto mais cedo, menos discernimento esse indivíduo possui.Socialmente, foi estabelecido como regra para convivência pacifica e o equilíbrio emocional das pessoas, que certas praticas de caráter sexual, seriam incorretos. O que era tabu, virou lei tanto no âmbito espiritual, quanto no âmbito social moderno. Já os fatos parecem demonstrar o contrario. O numero de crianças e adolescentes que se prostitutem cresceu muito nas ultima décadas. Muitas, é verdade, são coagidas a entrar nessa vida marginal. Mas a maioria entra nessa por opção pessoal. Parece uma afirmação infundada, mas imagine que toda a pessoa em dificuldades, por pior que fossem, começassem a se prostituir. Seriamos todos prostitutos!O numero de adolescentes gravidas também cresceu. Muitas meninas iniciam a vida sexual bem cedo, algumas ao dez anos de idade! Na maioria das vezes seus parceiros são da mesma idade. Isso estranhamente não pode ser enquadrado como pedofilia, ou abuso.No entanto essa pratica é banida da maioria das culturas, porque seu impacto social é destrutivo por diversas razões, mas em grande parte devido as nossas reações culturais em maior medida pelo fato de que colocamos pré adolescentes e adolescentes, no papel de um adulto para o qual eles não estão preparados, e também devido a traição do "agressor" à confiança que a "vitima" nele deposita. As "vitimas" nem sempre são inocentes do ponto de vista sexual. Mas geralmente são jovens demais para aceitar a traição. Elas participam na maioria das vezes voluntariamente e até gostam do que esta acontecendo e nos inúmeros casos relatados procuram novamente os "agressores". Elas só ficam horrorizadas, quando a "tradição" entra no jogo. Ai elas se sentem culpadas, sujas e começam a desenvolver neuroses psico-depressivas. E a aquelas que ainda se tornam "transmissoras" incorrendo no que foram submetidas.

1 Comments:

Blogger visionarios said...

não vejo problema nem um no incesto!!! desde que as duas partes sabam o que yão fazendo e sejam pessoas responsavel, pai e filha, irmão e irma, tio e sobrinha, mãe e filho, em fim, desde que se aja um idade responsavel e ambos comcorde com isso, nada contra

1:23 PM  

Postar um comentário

<< Home